Entrevista 1 | Eduardo Costa – Editora Clock Tower

Nesta primeira Entrevista do site vocês conhecerão um pouco sobre Eduardo Costa e a Editora Clock Tower, famosa por publicar uma excelente antologia com contos de H.P. Lovecraft.

1-Como surgiu a Editora Clock Tower e qual a diferença entre Clock e outras editoras?

Edu Costa: Antes de tudo, Rafael, muito obrigado pela oportunidade. Você não sabe o prazer que é poder estar trocando essa ideia com você e com os seus leitores. Muito obrigado mesmo!

Respondendo a sua pergunta, a Clock Tower, antes de ser uma editora, é uma iniciativa. Observando a ausência de participação do mercado editorial nacional no nicho de literatura de horror, que conta com uma legião de fãs, a Clock Tower surgiu para suprir esta lacuna. Como fãs do gênero e de diversos autores maltratados pelas editoras nacionais, nós mesmos tomamos a inciativa e resolvemos, junto com outros fãs, elaborar nossos próprios projetos editorais.

Justamente por isso, acredito que a maior diferença da Clock Tower ante as demais editora é a grande importância que damos à participação dos nossos leitores. Nós os consultamos para tudo: que livros eles querem que publiquemos, que extras gostariam no livro, como podemos criar uma experiência de leitura digna dos autores que publicamos, etc. Nós temos diversos canais de participação dos leitores, como duas fanpages e um grupo no Facebook, e-mail, Hangout que realizamos mensalmente para atualizar os leitores do avanço dos nossos projetos atuais e futuros, etc. A proposta da Clock Tower é realmente ser uma editora “de fãs para fãs”.

2-Por que decidiram iniciar as publicações com uma antologia de Lovecraft?

Edu Costa: Lovecraft é, provavelmente, um dos autores de horror mais clássicos e mais maltratado pelo mercado editorial brasileiro. Salvo o competente trabalho que a Hedra vem realizando nos últimos anos, muitas poucas edições de qualidade saíram no país. Assim, como apaixonados pela obra de H. P. Lovecraft, sabíamos que não poderíamos começar com outro autor, senão ele, uma vez que o nosso idealizador e editor-chefe, Denilson Ricci, já possuia um ampla bagagem sobre ele, uma vez que administra o sitelovecraft.com há anos. Começamos com o pé direito.

3-Quais foram as dificuldades enfrentadas pela editora?

Edu Costa: Muitas… (risos). Lançar um livro independente no Brasil não é nada fácil. Requer que montemos uma equipe técnica competente, achemos uma gráfica de qualidade, criar um livro atrativo, com conteúdo extras e outras qualidades, montar toda uma estrutura para vender esse livro de forma autônoma… Enfim, não é nada fácil. Se não tivéssemos os leitores tão bons como os que temos, provavelmente a Clock Tower não teria saído do papel. Desde o início do projeto, a recepção foi muito boa, e por isso sempre digo que tudo na Clock Tower, o sucesso ou fracasso, depende quase que exclusivamente de nosso fãs, e a eles somos gratos.

4-Qual foi a mudança mais marcante desde a criação da editora?

Edu Costa: Modéstia a parte, acho que a maior mudança foi com a minha entrada na editora… (risos). Como profissional de marketing, especializado em marketing digital, eu busquei trabalhar ao máximo para que, mais do que usar artifícios mercadológicos para vender livros, nós criássemos uma verdadeira relação com o nosso público, e acredito que fomos muito bem sucedidos.

Assim, eu busquei fazer Hangouts quinzenais para atualizar nossos leitores sobre o andamento de nossos projetos e ouvir suas opiniões (que bateram mais 150 pessoas acompanhando em tempo real); criei, junto com a nossa webdesigner, a Anny Rosário, o novo site comercial da Clock Tower (que foi, sem dúvida, marcante para editora); comecei a atuar ativamente nas redes sociais, em busca de responder todos os comentários e trazer novidades e conteúdos legais para os nossos leitores; profissionalizei os processos operacionais, como a criação de uma loja virtual para facilitar a compra (ao invés do antigo sistema de e-mails), entre outras mudanças que buscamos implementar. Graças a Cthulhu, deu tudo certo até agora (e continuará dando!).

 yellow

5-Vocês prepararam um belíssima edição de “O Rei Amarelo”. Como foi a recepção do público e por que escolheram publicar o livro de Robert W. Chambers?

Edu Costa: A recepção do público foi muito boa! Por motivos alheios a nossa vontade, o projeto atrasou por quase 6 meses, mas assim que o retomamos, retomamos com força total. Quando surgiu a ideia de lançarmos “O Rei de Amarelo”, ainda não havia nenhuma publicação do livro no Brasil (pois foi antes da série True Detective). Depois que editoras grandes, como a Intrínseca, optarem por publicar o livro, até pensamos em desistir do projeto. Mas resolvemos levar adiante e levar o nosso lema em frente: “de fã para fã”. Assim, resolvemos fazer uma edição do nosso jeito, com um acabamento primoroso, que todo o fã amaria ter em um livro de horror tão bom (e clássico) quanto este.

6-A série True Detective ajudou a difundir alguns termos do universo dos Mitos, “O símbolo Amarelo”, “O Rei Amarelo” e “Carcosa”, por exemplo . O que você achou da série?

Edu Costa: Achei a série fenomenal! Foi a primeira série que tive que assistir por obrigação profissional… (risos).

Ela retratou de forma muito peculiar, entre o real e o fantástico, os elementos dos Mitos de Cthulhu (mas especificamente, da chamada “Mitologia Amarela”), e eu achei isso brilhante. De fato, uma série memorável e que, indiretamente, ajudou a difundir a “subcultura lovecraftiana” (como eu chamo a nossa “tribo”) para o grande público.

7-Quais os próximos projetos da editora?

Edu Costa: Ainda estamos pesquisando junto aos nossos leitores, inclusive através de uma votação no grupo oficial da editora no Facebook. Um dos mais cotados é um novo livro de contos do bárbaro Conan, de Robert E. Howard, mas ainda não é certo. Quem quiser participar da enquete, basta acessar e votar.

8-Uma vez vocês mencionaram que tinham interesse em publicar The Hellbound Heart – Clive Barker, mas não ouvi mais nada sobre o assunto. O projeto morreu?

Edu Costa: Não morreu, mas é inviável, por enquanto. A editora americana responsável pela obra até autorizaria a publicação do livro por nós, mas eles exigem uma tiragem mínima de 5 mil livros. Já que estamos com dificuldade de fechar em 1 mil a tiragem de “O Rei de Amarelo”, dá para ver que as contas não fecham… Quem sabe no futuro, quando mais pessoas souberem da Clock Tower e tivermos um número considerável de colaboradores, possamos realizar essa publicação. Nada é impossível… (risos).

9-Como você enxerga o mercado editorial brasileiro?

Edu Costa: Complexo… (risos). Os pequenos tem que ralar MUITO para conseguirem sobreviver, enquanto os grandes TAMBÉM ralam, só que para não serem “rebaixados”aos pequenos… (risos). Livro no Brasil ainda é muito caro, e só ser um produto isento de impostos não basta: tem que ser subsidiado também. A educação tem um papel fundamental na formação de um público consumidor, e sabemos o quanto ela é deficiente… Então, é fácil concluir que toda a estrutura está errada. É preciso investir nos alicerces (cultura e educação) para alavancarmos o mercado ao ponto de termos livros de alta qualidade editorial a menos de 50 reais, por exemplo.

10-Atualmente, é muito fácil escrever e publicar de forma independente, porém autores, geralmente por falta de conhecimento, não conseguem divulgar suas obras. Você consegue dar alguma dica para esses escritores?

Edu Costa: A mais óbvia e mais eficaz é: estejam na internet! Criem sites, blogs, vídeos, podcasts, etc. Produzam conteúdos para serem difundirem a sua marca pessoal e seu trabalho. Além da Clock Tower, desenvolvo um trabalho sobre construção de marca pessoal, o que pode vir a ser bem útil para as pessoas que querem se posicionar num mercado tão difícil quanto o editorial. Curtam e acompanhem, que podem ter conteúdo bem legais neste sentido. No mais, é escrever todos os dias, publicar na net todos os dias, e interagir MUITO com os seus leitores. Tem que correr atrás, pois é bem difícil, mas não impossível.

Anúncios

O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s